Notícias

28.04.2020

Coronavírus: pesquisa realizada pelo Sebrae/SC apura que mais de 53 mil pessoas perderam o emprego no Vale do Itajaí

Compartilhe: WhatsApp

A segunda edição da pesquisa para averiguar o impacto do novo coronavírus em Santa Catarina revelou que 53.249 pessoas perderam seus postos de trabalho somente no Vale do Itajaí. O trabalho foi realizado pelo Sebrae/SC com o auxílio de inúmeras entidades do estado, inclusive a CDL Blumenau, e obteve resposta de 4.348 empresários de todas as regiões de Santa Catarina nos dias 13 e 14 de abril. A margem de erro é de 1.5 ponto percentual para mais ou para menos.

Entre os dados apurados pela pesquisa, 34% dos empresários do Vale do Itajaí afirmam terem feitas duas ou mais demissões desde o dia 18 de março, data em que passou a vigorar o primeiro decreto de isolamento social determinado pelo governo do estado. Em relação à perda no faturamento, 93,19% dos entrevistados tiveram redução média de 67%, o que representa o valor de R$ 1.2 bilhão.

No estado, o número de empresários que afirma ter demitido dois ou mais colaboradores durante o mesmo período é de 34,45%. Estima-se que cerca de 406 mil pessoas perderam o emprego em Santa Catarina até o momento.

No que diz respeito ao faturamento, a queda é em média de 64,63% para 91% dos empresários. O impacto para micro e pequenas é estimado em aproximadamente R$ 9,4 bilhões. O setor do agronegócio foi o menos impactado, com 69,3% dos entrevistados alegando queda média de 42% no faturamento. No setor de serviços, a queda média de 62% foi registrada por 89% dos entrevistados, na indústria a média foi de 60%, apontada por 93% dos entrevistados. Por fim, o comércio, setor mais impactado, teve queda média de 68%, apontada por 94% dos empresários.

Em relação ao retorno das atividades econômicas, 34,57% dos entrevistados afirmaram que estão em atividade, mas com redução de produção, enquanto 26,5% estão atuando com mudanças no funcionamento. Além destes, 22,67% dos empresários seguem com os estabelecimentos fechados aguardando liberação para funcionarem, 15,1% não tiveram mudanças na operação desde o início da crise, e 1,22%, o que representa cerca de 10 mil empresas, fecharam as portas e não voltam mais a funcionar.

Para o presidente da CDL Blumenau, Helio Roncaglio, a manutenção dos setores de comércio e serviços deve ser feita de maneira responsável para preservar os empregos e recuperar o faturamento perdido pelas empresas.

“É fato que a suspensão das atividades do comércio por 25 dias causou prejuízos significativos tanto nos empregos dos catarinenses quanto no setor como um todo. Sabemos que as coisas não retornarão ao normal imediatamente, entretanto, é fundamental que nossa retomada continue sendo feita com prudência. É preciso que os estabelecimentos comerciais e serviços sigam promovendo as medidas de prevenção e higiene das lojas, mantenham um bom relacionamento com seus clientes e procurem ampliar seus canais de vendas para que possam recuperar o faturamento o mais rápido possível. A CDL Blumenau, por meio da campanha do Dia das Mães, está estimulando o consumidor a ir às compras, porém, sem se esquecer dos cuidados que ele deve ter com o novo coronavírus”, afirma o presidente.

 

Newsletter

Sistema CNDL
©2016-2022 - CDL Blumenau - Todos os direitos Reservados - Desenvolvido por SEDIG

Política de Privacidade
Topo