Notícias

29.11.2021

Blumenau terá grupo de trabalho permanente para resolver assuntos de segurança pública

Compartilhe: WhatsApp

A segurança pública, com foco em furtos e roubos no comércio de Blumenau, foi tema do segundo encontro promovido pela CDL Blumenau junto a outras entidades do município, polícias Civil e Militar e representantes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. A reunião ocorreu no dia 26 de novembro, no Quality Hotel. Entre as ações definidas, ficou estabelecido um grupo de trabalho permanente com foco em segurança pública (veja abaixo outras ações).

O presidente da CDL Blumenau, Eduardo Soares, abriu o encontro lembrando que o tema é de responsabilidade de todos, por isso a importância de novos atores nesta segunda reunião. “Precisamos de apoio também dos nossos parlamentares e queremos que esta mensagem chegue até eles por meio dos representantes que enviaram. Temos de acabar com a sensação de enxuga gelo que nossas polícias enfrentam diariamente”, destacou Soares.

Blumenau terá grupo de trabalho permanente para resolver assuntos de segurança pública

O presidente do Conselho Deliberativo da Associação Catarinense de Supermercados (Acats), Paulo César Lopes, disse que esta é a primeira vez, em sua longa jornada empresarial e de atividades em entidades representativas, que viu tantas pessoas reunidas para discutir segurança.

“O assunto sempre mobilizou as entidades, mas em torno do efetivo policial. Hoje, o foco são os constantes furtos no comércio. Não bastasse o prejuízo com as mercadorias furtadas, há o tempo que nossos gerentes despendem na delegacia para os procedimentos legais e ainda há a perda de funcionários, já que muitos pedem a conta em virtude das ameaças que sofrem pelos criminosos que foram flagrados nos supermercados”, contextualiza Lopes.

De acordo com o empresário, só no setor de supermercados, as perdas com furtos e roubos chegam a R$ 2 bilhões por ano, no Brasil. “Todos os dias flagramos pessoas escondendo produtos variados nas roupas e mochilas, que nem são para consumo próprio. São revendidos para outros estabelecimentos que atuam na ilegalidade”, explica.

O tenente-coronel Cleber Pires, até então comandante do 10º Batalhão de Polícia Militar, lembrou que a sociedade é feita por todos, por isso requer grande envolvimento com a causa. “Hoje, contamos com atores importantes envolvidos nesse debate. São pessoas que foram além da indignação, estão de fato fazendo algo para mudar esta realidade”, apontou Pires.

O delegado Regional da Polícia Civil, Rodrigo Marchetti, apontou que os crimes mais violentos foram reduzidos, mas ainda há uma grande demanda em relação aos furtos. Marchetti disse que, junto com a PM, irá produzir um relatório com dados específicos sobre esse tipo de crime para ser entregue ao poder judiciário e assim realizar um trabalho conjunto.

O promotor Odair Tramontin discorreu, entre outros, sobre o princípio da insignificância previsto em lei. “O crime circunstancial sempre existiu, mas a questão agora é o crime como atividade econômica e a lei não consegue distinguir um do outro. Outro problema é o crime de receptação, já que boa parte dos produtos furtados são revendidos”, apontou.

Tramontin lembrou ainda a importância de resgatar a discussão sobre redução da idade penal, que está em processo no senado há oito anos. O promotor informou que outro empecilho é que, para crimes com previsão de pena menor de quatro anos, não é possível decretar a prisão preventiva.

O juiz titular da 1º Vara Criminal de Blumenau, doutor Eduardo Passold Reis, abordou a importância de entender que há ações a serem realizadas, paulatinamente, nos ambientes micro, médio e macro.  “No macro são necessárias mudanças nas leis, para isso, precisamos de instrumentos para fazer um bom trabalho”, afirmou.

O secretário de Defesa Civil de Blumenau, Carlos Menestrina, disse que o município está trabalhando no seu âmbito para contribuir com a segurança e citou o sistema de monitoramento compartilhado da Central de Controle Operacional (CCO). “Podemos analisar a possibilidade da prefeitura ampliar os recursos destinados à polícia por meio de convênio”, sugeriu Menestrina.

O diretor da Acib e empresário do ramo de segurança privada, Avelino Lombardi Júnior, falou sobre as cidades inteligentes, uma tendência, mas que segundo ele dependem do pronto atendimento baseado em ostensividade. “Quando unimos o conceito de cidades inteligentes a mais investimentos nas polícias militar e civil, inclusive com o aparelhamento das mesmas, temos um ótimo resultado”, informou.

Grupo de trabalho permanente

 

A fim de colocar em prática as próximas ações e conseguir melhorias, os participantes criaram um grupo de trabalho permanente. As principais pautas do grupo são:

- Minuta de quais leis devem ser alteradas para efetivamente punir os criminosos e cobrar dos políticos essas mudanças;

- Criar um fundo de investimento municipal com recursos públicos para equipar as polícias Civil e Militar;

- Aumentar o efetivo das polícias Civil e Militar de Blumenau;

- Trazer e aplicar em Blumenau o conceito de cidade inteligente.

Parlamentares enviam representantes

 

Também participaram da reunião o vice-presidente do Sindilojas, Jair Piaia, o diretor-executivo do Sindilojas, Márcio Salvador, o presidente da Ampe, Pedro Gilmar Fank, o vice-presidente da CDL Blumenau, Antonio Bittelbrunn Junior, o diretor de SPC da CDL, Helio Roncaglio, e os advogados e representantes do setor jurídico da CDL, Angelito Barbieri e Felipe Barbieri.

A CDL Blumenau também convidou para o encontro os representantes políticos de Blumenau. Porém, os deputados Ismael dos Santos, Ivan Naatz e Ricardo Alba informaram que tinham compromissos já agendados e por isso enviaram representantes. O vereador Egídio Beckhauser não participou, nem enviou representante.

Quem esteve presente foi o vereador Carlos Wagner, conhecido como Alemão, que agradeceu o convite. “Quem sabe agora, com a união de todos, conseguiremos mudar esta realidade”, colocou.

O empresário Lopes lembrou que o assunto requer um grande esforço conjunto de todos. “Como cidadão blumenauense eu lamento o fato dos nossos deputados não terem vindo. São apenas três de Blumenau e não vieram. Isso me entristece”, desabafou.

 

Newsletter

Sistema CNDL
©2016-2022 - CDL Blumenau - Todos os direitos Reservados - Desenvolvido por SEDIG

Política de Privacidade
Topo